A Bailarina

02:48

Sinto falta de dançar. Eu acredito que as pessoas nascem com dons, talentos que desenvolvem com o tempo, mas dançar não é o meu talento, é a minha paz, meu refúgio. Eu me lembro da primeira música que dancei, eu tinha seis anos, basicamente eu era apenas parte do cenário (como veio a acontecer muitas outras vezes pela vida) mas de todas as minhas lembranças daquela época essa é uma das únicas que não estão manchadas de tristeza ou decepção. As pessoas as vezes se esquecem que garotas de seis anos já podem conhecer o sabor da decepção e isso torna pior, o mundo ignorando a sua própria degradação. Mas daquela primeira vez que dancei eu aprendi um caminho, um meio de lidar com tudo isso.

E é assim que eu lidava com a vida, dançando. Eu tenho hoje calos permanentes nos pés, não é nada bonito, mas isso nunca importou. Eu dancei doente, com pés e pernas doloridos. Eu dancei e dancei. Os aplausos, toda a arte envolvida nisso nunca importou realmente. O fato é que sempre que eu inventava cada passo eu expressava o que se passava no meu coração. Eu já dancei com a raiva, com a tristeza, com a alegria, mas, principalmente dancei com o amor, e isso é imprescindível.

Dançar sempre foi uma prioridade, um compromisso que eu nunca negligenciei, mas faz algum tempo que os dias engoliram minhas prioridades. E isso é o ruim na arte, fique um tempo sem praticar que mesmo a pessoa que tenha milhões de coisas para expressar notará uma regressão na base na qual deveria trabalhar. Acredito que a arte tem sim um lado emocional mas a falta de disciplina pode levá-la ao esquecimento. Eu não quero esquecer dos meus propósitos, mas, em alguns momentos, é o caminho mais fácil, mais simples. 

Eu não sou uma bailarina, uma dançarina, uma artista. Eu sou os passos que me levam a cada caminho. Eu sou o movimento das mãos quando elas transmitem um carinho. Eu sou o rodopio dessa nossa terra nos levando lentamente a extinção. Eu sou a dança que vivo mas morro lentamente a cada passo que negligencio. 

Sinto falta das minhas sapatilhas.

Continue a nadar!

0 comentários