crônicas

Todas as felicidades!

23:13

Olá, você aí do outro lado. Tudo bem? Eu espero que sim. Deste lado está tudo tranquilo. Daqui a uma hora vai ser oficialmente o dia dois, e eu vou entrar na casa dos 23 sem muitos escândalos. É impressionante como o tempo passa, é tão rápido que nem sinto minhas memórias se formarem antes de esquecê-las.

A minha vida agora é maravilhosa e dolorosa ao mesmo tempo. Eu fiz tudo o que sonhei. Tudo que planejei para a minha própria vida eu atingi e isso é algo e tanto aos 23, do século XXI, quando quase ninguém conquista algo.

É maravilhoso viver neste momento, quando eu sinto que estou caminhando por um propósito. Quando eu sei que minhas escolhas foram as melhores que eu poderia fazer.

E é doloroso porque é solitário. Faz dois meses que eu não vejo minha família, e pode não parecer muito, mas para a gente é quase como uma vida inteira. Somos daquele tipo comum e disfuncional, que funciona muito bem com um se apoiando no outro. E eu sinto falta deles. Especialmente das mulheres maravilhosas com quem eu sei que posso contar para tudo. Mamãe e irmãzinha, a gente é feita da mesma matéria prima.

Mas, no fim, eu estou feliz. Por mais que eu tenha caminhado muito, para muito longe, no último ano, eu ainda me sinto eu. Uma eu autêntica que às vezes eu tenho vontade de jogar fora, mas de quem não consigo desistir.

Olha só... mais quarenta e três minutos mais próxima da velhice. Os números param de fazer muita diferença, se você quiser saber a verdade. Todos os dias eu sinto o efeito do tempo ao olhar ao redor e saber que tudo está em constante mudança.

Mas, obrigada. Parabéns para você que, mesmo quando tem vontade de desistir de si mesmo, continua vivendo o efeito do tempo e crescendo com as alegrias e as dores. Parabéns para você que, assim como eu, encontra a paz nas palavras alheias ou nos textos de blogs desconhecidos feitos para o esquecimento inevitável. Todas as felicidades!

crônicas

Ignore esse frio

12:41

O que é esse frio na barriga? Esse ciclo de constrangimentos autoimpostos? Eu não quero errar nesse assunto. Eu não quero errar.
Eu tenho esse dom de me esquivar. De sumir sem ser notada. Me camuflo perfeitamente entre cadeiras e pessoas indiferentes.
Às vezes eu penso que não poderei me esconder pelo resto da vida, mas ai vem o frio na barriga e só o que eu posso fazer é correr para o próximo canto escuro.
Eu só queria que tivesse alguém para se esconder comigo. Ando meio solitária.
Mas, mesmo aqui do meu esconderijo, estou em paz. Pelo menos agora a minha companheira não é mais a angústia continua. Ser solitária é melhor do que querer se jogar de escadas.
Enfim, dizem que essa é a vida adulta. Sigo me esquivando.

crônicas

Dez anos

23:12

Daqui um mês faço vinte três. De todas as previsões para o fim do mundo, a mais confiável nos dá mais dez anos. Quando recebi essa informação, achei tão pouco tempo. Mas, daqui a um mês vou fazer vinte e três, há dez anos eu tinha treze e isso parece parte de outra vida.

Dez anos não é pouca coisa. Com treze eu ainda não tinha menstruado, me apaixonado, lido Crepúsculo, pintado o cabelo. Nesses dez anos eu passei por cólicas, paixões literárias, cabelo azul e frustrações sentimentais. E eu deixei de ser uma menina, eu nem lembro mais como era ser aquela Ana Paula de lá.

Nesses próximos dez anos, o mundo acabando ou não, eu quero crescer mais. Quero voltar ao meu cabelo longo e natural (por mais impossível que isso pareça). Quero que meus livros vendam tanto quanto Crepúsculo. Quero me apaixonar sem medo, sem as inseguranças da imaturidade.

Faz tanto tempo que não escrevo por aqui que nem sei se consegui ser coerente. Mas, eu queria passar e dizer que o mundo ainda não acabou. A gente ainda tem tempo.

poemas

A poem?

14:31

Don't trust in the stars because they can't shine at the day.
Trust in you heart because him keep beating anyway.

Olá e até logo

Agora

15:47

A previsão indica uma probabilidade de muitas lágrimas sendo engolidas. 
De muitos nós congestionados na garganta.
De muitos abraços preventivos.
De músicas antigas embalando novas madrugadas.
De memórias escorrendo pelo ralo.
De novos pavores infundados.
De declarações quase esquecidas.
De rancores superados.

O céu indica, com suas nuvens que caem como se fossem lágrimas, que é hora de dizer até logo.

É hora de ir embora.



textos

Eu estou feliz porque eu estava bonita

11:00

Amor, foi um pouco doloroso não ver o seu sorriso se abrir quando nossos olhares se cruzaram. Eu já tinha tudo planejado, mas você não seguiu o roteiro. Existe uma expressão em coreano equivalente a garoto maldoso. Ela é tão sonora que eu quero que você pesquise e me imagine te dizendo isso.

Faz meses que eu não te escrevo. Por aqui, devem fazer anos. Mas, naquela última carta eu disse que precisava escrever para outra pessoa. Continuo fazendo isso e é tão bom ter respostas. Foi uma espécie de cura que eu de fato acreditei que tinha te esquecido.

Eu disse: "vamos nessa, deixa ele de lado, sozinha é bom demais para pensar no cara errado" (se eu agora cito música sertaneja? aparentemente). Mas, é claro que você tinha que aparecer no momento mais improvável, naquela hora em que eu não te esperava de forma nenhuma. É muito difícil desistir de você. (Eu realmente gostaria de conseguir escrever em coreano porque tem uma expressão que indica intensidade que caberia muito bem aqui.)

E, caramba amor, eu realmente estou bem. De verdade. Eu percebi que estar solteira é muito bom. As minhas decisões são só minhas. Eu posso fazer qualquer coisa. Qualquer coisa. E eu tenho grandes planos de viver uma vida com propósito nos quais uma família seria meio que uma coisa complicada.

Veja bem, se eu quisesse, poderia mudar para o outro lado do país amanhã. Mas, se a gente estivesse juntos, não seria bem assim. Um casal tende a se estabelecer, se acomodar e eu não quero isso. Acho que nunca vou querer.

Mas, eu ainda quero você comigo. Como não? Você fez meu coração disparar como se eu ainda fosse uma adolescente. Minhas mãos tremeram! E isso só de te ver. Eu sou uma boba. Uma boba apaixonada.

Não é fácil te amar de longe. Mas, tenho certeza que também não é fácil te amar de perto.

Acho que eu só queria dizer que eu estou vivendo muito bem a minha vida. Ainda apaixonada, porque é muito difícil não amar você, porém já me acostumei com a sua ausência. Agora, o estranho seria te ter por perto.

Enfim. Sorria se a gente se encontrar outra vez.
Talvez na próxima carta eu já consiga me expressar em coreano.
Note: eu já estou pensando em outra carta.
Vamos acabar com isso.
Estou exausta de correspondências.
Venha falar comigo.

Com carinho.

crônicas

Já que está na moda

11:00

Eu não sei muito sobre Niilismo. Ouvi dizer que anda na moda, mas com meu conhecimento superficial, posso dizer que entendo de certa forma. Eu já senti isso. Uma espécie de onda avassaladora na qual nada faz sentido. Uma percepção de que nada existe, de que esse corpo não é material o bastante para me provar que a vida é.

Mas, ela é. Eu sou grata pela onda, porque ela vem e logo vai embora. Ela provoca mudanças, e talvez em alguns ela estabelecesse a descrença. Mas, depois de sobreviver ao nada, eu acreditei com mais veemência no algo maior, no Deus, na vida, no amor, na fé.

Isso não me torna alienada, ou massa de manobra, vaca de presépio. Pelo contrário, minha fé é baseada em uma ampla reflexão, na qual a minha razão faz perguntas constantes. O ponto nem é encontrar as respostas. O que importa para mim é sentir que tenho um diálogo com o criador. E é reconfortante saber que eu tenho liberdade para acreditar.

Também é reconfortante saber que as outras pessoas têm liberdade para desacreditar. Por mais que as coisas sejam mais complicadas que isso, é bom viver em um tempo, em um país, no qual podemos escolher.

Às vezes, eu tenho um pouco de medo. Queria que fosse mais simples, que eu me encaixasse em um padrão esteriotipado e pré-estabelecido. Mas, é assim para mim. Já faz um tempo que decidi não esconder o que penso, quando questionada.

Claro, o silêncio ainda é uma boa maneira de evitar discussões existenciais. Mas, em alguns momentos, existem coisas que precisam ser ditas. E hoje eu queria deixar claro que também é bom, sábio, saudável e inteligente acreditar.